Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2018

Até o Fim - Quebre o Ciclo

Imagem
Esse quinteto é de Ribeirão Preto/São Paulo e está na ativa desde 2017, ou seja, um grupo relativamente bem novo, mas que já demonstra um amadurecimento e uma garra para fazer som porrada como ninguém. Trata-se de uma mistura de Hardcore com Thrash Metal cantado totalmente em português e exaltando nossos problemas sociais, a violência e o caos em que vivemos. Vamos encontrar vocalizações extremas e raivosas, riffs excelentes, bateria rápida, baixo com boa marcação. É um som empolgante, bem feito e vigoroso. Recomendadíssimo para amantes do estilo. Neste EP o ouvinte irá se deparar com 6 composições mais uma introdução. Destaques: “Ceifador”, “Aqui não Tem Otário” e “Sua Destruição Começa Aqui”. Se estes meninos continuarem nessa pegada, certamente, irão dar muito que falar e vão sacudir ainda mais a cena extrema. – Nota: 8 Faixas: 1. Intro 2. Ceifador 3. Afronta 4. Aqui não Tem Otário 5. Sem Honra 6. Aqui é Meu Lugar 7. Sua Destruição Começa Aqui Site Oficia

Haters - Babayaga

Imagem
O HATERS é, na verdade, uma dupla de Niterói/RJ que pratica um Death Metal bastante brutal e veloz. Formado por Chris Rodrigues (guitarra/baixo/vocal) e Sandro Rodrigues (bateria/vocal), o grupo lançou o EP “Babayaga” em 2108 e fizeram um trabalho bastante interessante. A obra possui apenas 3 músicas que totalizam apenas 8 minutos de som. O ouvinte irá encontrar aquilo que, de fato, os grupos que praticam este gênero possuem: velocidade, brutalidade, vozes guturais, riffs rápidos. E embora percebamos a eficácia dos membros da banda, há um problema que compromete um pouco o trabalho. Este problema é justamente o cuidado com a produção que, neste caso, acabou prejudicando o peso que o grupo possui e que não ficou tão evidenciado. As composições são extremas e há uma introdução que é digna de fazer parte dos melhores filmes de terror que são exibidos em nossos cinemas. “Cultu Cibum” é a melhor faixa do EP. Confiram e vamos acompanhar o trabalho dos rapazes que, em breve, irão lançar n

Superchiadeira

Imagem
O VIOLENT NOISE realiza aqui a última entrevista de 2018. E para fecharmos o ano com chave de ouro, convidamos a banda SUPERCHIADEIRA para uma conversa rápida e bastante interessante. Esse Power Trio faz um Stoner Rock vigoroso e potente e, através do guitarrista e vocalista Akira, iremos saber um pouco sobre a trajetória do grupo, os lançamentos, a visão sobre o cenário Underground e outros detalhes. Confiram a nossa entrevista e vamos apoiar o nosso Underground. Maiores detalhes também podem ser obtidos no Facebook oficial da banda. Como a banda começou? Akira: A banda começou em 2010. Depois de muitas bandas, resolvi tentar montar a minha e criar músicas. Convidei o Rico (batera) e o Guima (baixo) que tinha conhecido de outras bandas. Com o Rico eu tinha tocado recentemente numa banda que acabou em 2009, mas o Guima tinha mais tempo que havia tocado, em 2007. Ambos aceitaram fazer um som e estamos aí até hoje. Como decidiram a escolha do nome? Akira: Não fo

Brutal Order - Homo Homini Lupus

Imagem
Formado em 2017, este quarteto de Thrash Metal de Recife/PE lançou recentemente o primeiro e poderoso EP chamado “Homo Homini Lupus”. Uau!!! E como o próprio nome diz, eles têm, de fato, uma veia sonora bastante brutal. Não somente brutal, mas técnica também. Essa obra é uma grata surpresa: boa qualidade de gravação, riffs precisos, solos bem executados, baixo marcante, bateria veloz e vocais fortes e que muito bem caracterizam o estilo. É o bom e velho Thrash Metal muito bem representado por uma banda nacional. Motivo de orgulho! O destaque fica por conta de “Revolution or Self Destruction”, composição que encerra o trabalho com chave de ouro. Sinceramente falando, o EP é um sério candidato a ser um dos melhores trampos nacionais de 2018. Conferir a obra é questão até de obrigação. – Nota: 9 Faixas: 1. Homo Homini Lupus 2. Burn 3. Working Till Death 4. Brutal Order 5. Revolution or Self Destruction Facebook Bandcamp YouTube

Anguished - Cold

Imagem
Nos mais diversos estilos do Metal, o número de One Man Band vem crescendo a cada dia. Hoje, especificamente, vamos falar de uma One Woman Band. Isso mesmo, um projeto feito por uma mulher que toca todos os instrumentos (exceto a bateria, que é tocada por um convidado), faz os vocais e é responsável também pelas letras. Possessed Demoness é a mentora do ANGUISHED, projeto de DBM da Finlândia criado em 2009. Em 2010 já foi lançado “Cold”, o primeiro e único trabalho até o momento. Trata-se de uma obra ímpar, mas não inédita no quesito sonoridade. Iremos encontrar um som forte, pesado, soturno, rústico, depressivo e que segue a linha do Black Metal Old School com vocalizações carregadas de muita agonia e desespero. Por vezes o vocal pode soar um pouco cansativo pelo excesso de aflição e por ser demasiadamente estridente. “September Nights” é uma ótima composição e surpreende pela drástica mudança de ritmo. Obra que merece ser conferida e apreciada, em especial por quem admira sons ex

Daniel Tree - Horror Vacui

Imagem
Mais um trabalho do DANIEL TREE presente aqui no VIOLENT NOISE. Há tempos atrás falamos de “ Higueras ”, uma obra ao vivo bem interessante. Aqui, essa One Man Band faz algo um pouco distinto, mas ainda assim seguindo o estilo que desenvolve: Noise/Experimental. “Horror Vacui” é um trabalho de estúdio que contém 4 composições. Esqueçam riffs de guitarra, solos, blast beats, velocidade, vozes guturais. Encontramos algo muito específico e, por isso mesmo, talvez não agrade muita gente. O ouvinte basicamente terá acesso a um universo de sons diversos: ruídos, sons da natureza, diálogos, objetos que caem, sussurros, passos. É praticamente uma experiência e viagem sonoras que nos envolvem sensorialmente. Se fecharmos os olhos, sem sombra de dúvida, seremos transportados para outros universos, outros lugares e diferentes contextos. É um trabalho bastante ousado e, de certa maneira, complicado de se fazer. “Pouroma” e “Sisterno” poderiam ser um pouco menores. Isso facilitaria uma maior con

As Dramatic Homage - Consternation

Imagem
Este quarteto carioca novamente nos brinda com mais um lançamento cheio de técnica e bom gosto. “Consternation” é um Web Single e o amante da boa música pesada irá se deparar com excelentes arranjos, peso, melodia e uma composição extremamente bem cuidada e planejada. Isso é nítido. Eles continuam na mesma pegada do que já fizeram anteriormente, ou seja, trata-se de um Progressive Metal que mescla elementos do Doom e Black Metal. Grande destaque, além do instrumental, para as vocalizações de Alexandre Pontes que se alternam entre o gutural e uma voz limpa carregada de melancolia. Por vezes me lembra algo do VINTERSORG, mas com identidade própria. A arte da capa, feita por Gustavo Sazes, é SENSACIONAL. Um trabalho brilhante. Que venham mais. – Nota: 9 Faixas: 1. Consternation Facebook ReverbNation Bandcamp

Octodemon - Desert Dance

Imagem
Quarteto de São Paulo formado em 2017, o OCTODEMON nos traz uma sonoridade calcada no Heavy Metal e no Stoner. Em 2018 eles lançam o primeiro EP, cujo título é “Desert Dance” e, meses depois, ainda para a composição deste material, sai a música “Mammoth”. Encontramos peso, agressividade, vigor e muita energia, além de uma qualidade de gravação bastante satisfatória. É pouco tempo de estrada para um material que apresenta tantos atributos. Perceptível que eles terão um futuro glorioso se continuarem nessa mesma pegada. Riffs consistentes, solos com melodia e vocalizações fortes são os grandes destaques da obra. Vale ressaltar que estão em preparação para o lançamento do primeiro Full. Deve vir coisa muito boa por aí. – Nota: 8 Faixas: 1. Desert Dance 2. Mammoth Facebook Bandcamp YouTube

Bluyus - #ROCK

Imagem
Assim como geralmente acontece com grande parte das bandas, o BLUYUS também passou por várias dificuldades até se firmarem de fato. São sempre os velhos problemas: encontrar as pessoas certas, ensaiar muito, compor e batalhar por um reconhecimento por parte do público. Com tudo isso acertado, o trio gravou o álbum intitulado “#ROCK”, uma obra muito bem cuidada, pensada e planejada. E o resultado do trabalho é a prova dessa dedicação. O material foi gravado em 2015 e mixado e masterizado durante todo o ano de 2016. E caro leitor, posso garantir, valeu muito a pena. O ouvinte irá encontrar um total de 12 composições bem gravadas e DELICIOSAS de se ouvir. É um Rock gostoso, com melodias bem executadas, solos bem elaborados, uma voz cativante, refrãos acessíveis sem serem apelativos, letras em português que exaltam o amor, os desencontros, a vida. A obra soa muito boa como um todo e é bastante homogênea sem necessariamente ser repetitiva ou cansativa. Destaques: “Asas” a