Initiate Decay


É com grande honra e orgulho que anunciamos mais uma entrevista aqui no VIOLENT NOISE. Desta vez falamos com Aires Trajano, baterista do INITIATE DECAY, banda de Death Metal do Rio Grande do Sul e uma das melhores representante do Metal Extremo nacional. Em nossa breve conversa, Aires relata sobre a origem do grupo, as influências musicais, o lançamento do EP, planos para o lançamento do primeiro Full e outros detalhes.

Confiram a entrevista e apoiem o nosso Underground. Demais detalhes também podem ser obtidos no Facebook oficial do grupo.

Apreciem, divulguem e prestigiem!

Como foi a origem de tudo?

Aires: O INITIATE DECAY começou em agosto de 2016, comigo e com o Diego Araújo (G/V), fazendo algumas jams em estúdio. Após alguns meses, convidamos o Alexandre Graessler (G), que aceitou de imediato entrar para a banda, o que foi ótimo e acabou facilitando muito nosso processo de composição, pois já tínhamos criado muitas músicas juntos nos quase 15 anos em que fiz parte do IN TORMENT. Para fechar a formação, em dezembro de 2016 convidamos o Tiago Vargas. Foi a peça perfeita que procurávamos, pois além de um baixista, precisávamos de alguém que também cantasse, já que desde o início nosso objetivo era ter duas linhas vocais na banda.

Quais as principais influências do grupo?

Aires: Nossas influências são as bandas clássicas de Death Metal que marcaram época no início dos anos 90, como CANNIBAL CORPSE, MORBID ANGEL, CARCASS e OBITUARY. Ao longo dos anos acompanhamos de perto a evolução do Death Metal, mas na hora de entrar em estúdio para compor, nossas raízes ainda estão lá, intactas.

Como surgiu o nome da banda e como acontece a criação da composição e letras?

Aires: Há muito tempo eu tinha INITIATE DECAY na minha mente, mas como ideia para uma letra ou título para algum álbum. Como criamos uma nova banda e precisávamos de um nome, foi o primeiro e único que pensei. Quantos às letras, elas ficam totalmente a cargo do Tiago. Ele tem uma facilidade enorme e uma mente totalmente insana para compô-las e ele captou muito bem o caminho que queríamos na parte lírica, que fala principalmente em como estamos destruindo nosso planeta.

A criação das nossas composições começa geralmente comigo ou com o Tiago apresentando uma grande parte da música. Depois, dentro do estúdio, começamos a trabalhá-las todos juntos até que fique com o melhor resultado possível. Sempre compomos as músicas com uma grande quantidade de riffs e andamentos e isso é o que mais dá trabalho para fazer soar brutal e harmonioso ao mesmo tempo, mas geralmente conseguimos atingir esse objetivo no final delas.

"Awaken the Extinction” foi lançado em 2018. Como foi a gravação deste material e qual a repercussão para o grupo?

Aires: Escolhemos o Estúdio Hurricane em Porto Alegre/RS para gravar nosso primeiro registro, pois já conhecíamos o Sebastian Carsin e sabíamos o que esperar do seu trabalho. Todo o processo foi muito tranquilo e no fim saímos muito satisfeitos com o resultado do EP, que acabou tendo ótimas críticas e resultou no contrato com a Rapture Records. O único ponto negativo durante as gravações foi a saída do Diego, o que realmente não esperávamos.



Como está a rotina de shows?

Aires: Em 2019 e início de 2020 estávamos focados na conclusão das músicas do Full e também na busca de um novo Vocal/Guitarra que se encaixasse perfeitamente na banda, por isso nosso afastamento dos palcos nesse período. Agora com o momento conturbado que atravessamos devido ao covid-19, nosso plano de retornar aos palcos deve demorar ainda mais para acontecer, mas estamos torcendo pra que tudo se normalize e possamos voltar ao lugar que tanto gostamos, o palco!

Há planos para o lançamento de um Full ou outros materiais?

Aires: Sim. Assinamos com a Rapture Records para o lançamento do nosso Full, que já deveria estar em processo de gravação, mas novamente, devido à pandemia, tivemos que adiar nossos planos, mas está tudo certo entre o INITIATE DECAY e a Rapture Records. Então, assim que for possível, entraremos em estúdio, que até o momento ainda não está definido.

Como vocês analisam hoje o cenário do Underground nacional?

Aires: Eu vejo e acredito que estamos vivendo um momento muito foda dentro do Underground. A qualidade das bandas, independente do estilo, está inacreditável, pois estão trabalhando com organização e vontade de fazer a coisa acontecer, apresentando material de merchandising e álbuns fudidos, o que ajuda muito a torná-las cada vez mais profissionais. Temos também estúdios que estão apresentando grandes trabalhos, com produções matadoras e não podemos esquecer dos excelentes veículos de mídias especializadas em espalhar notícias e novidades relevantes do que está acontecendo no nosso Underground, como o VIOLENT NOISE faz. Além de fotógrafos, assessorias de imprensa e produtoras de shows que fazem muito bem seu importante papel. Claro que nem sempre tudo funciona como deveria, mas acho que estamos no rumo certo. O que sinto falta um pouco é da presença massiva do público nos shows, mas isso se deve muito aos (des)governantes do nosso país.

Agradecemos o contato de vocês e a entrevista e, como sempre acontece, queremos deixar o espaço aberto para a banda mandar um recado aos fãs e seguidores.

Aires: Eu que agradeço pela oportunidade de estar falando sobre o INITIATE DECAY no VIOLENT NOISE, que é sinônimo de profissionalismo, trazendo sempre muitas informações, seja através de reviews, entrevistas ou notícias sobre o universo do Metal. Esperamos em breve ter em mãos nosso Full e apresentar aos apreciadores da música pesada esse novo trabalho. Quero também agradecer aos nossos amigos e seguidores, que são fundamentais para a banda. Valeu!!! \m/

Fotos: Arquivo da Banda




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Initiate Decay - Awaken the Extinction

Iron Kobra - Kerker & Drachen

Invokaos - Entrevista com Alexandre Jansen

Exorcismo - Exorcise and Steal